4 de mai de 2012

AA Shop-Front Fab Workshop São Paulo


Festival Internacional de Linguagem Eletrônica – FILE
10-19 de julho de 2012



A Barra Funda, em São Paulo, já foi caracterizada com uma vibrante mistura de pequenas indústrias, comércio e residências. Porém, como as políticas econômicas favoreceram a concentração da produção industrial em grandes plantas, companhias abandonaram os centros das cidades e se instalaram nas periferias ou no exterior. Ao invés de apenas introduzir novos programas nessa paisagem pós-industrial, o workshop propõe a criação de um novo tipo de micro-indústrias a fim de gerar uma mistura de consumo e produção nos centros das cidades criando uma política de “prosumption”, manifesta através de micro-fábricas que coexistam com o comércio e as residências. O workshop postula que ferramentas computacionais de projeto e técnicas de fabricação digital podem ser usadas para ajudar a criar estas micro-indústrias, pois estas ferramentas e técnicas aumentam a produtividade com pouco uso de espaço, o que pode potencializar o trabalho de artesãos locais para produzir e vender on-demand diretamente para os consumidores.

O workshop aproveitará a energia emanada pela cena emergente de galerias de arte na Barra Funda e micro-agentes que utilizam a tecnologia digital para criar um novo movimento cultural no centro. O workshop buscará criar protótipos de modelos de micro-indústrias usando design e fabricação digitais, enquanto seus participantes aprendem e usam essas novas tecnologias, incluindo Rhino, Grasshopper, plug-ins e Arduino, assim como 3D Printers, fresadoras CNC e Laser Cutter, produzindo intervenções em escala 1:1 promovendo este novo movimento. O workshop será parte do FILE 2012 – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica – uma exposição de arte digital interativa. O curso vai sugerir maneiras para que essas tecnologias sejam inseridas em micro-economias cooperativas dentro do bairro. Para tal, trabalharemos diretamente com artesãos e artistas da Barra Funda inserindo novas tecnologias disruptivas em seus processos de trabalho como, por exemplo, a pequena fábrica da Resinfloor no bairro, usando sua resina tanto para fazer acabamentos como em fôrmas produzidas digitalmente, inventando um novo processo líquido de fabricação high-tech e low-tech. Outra colaboração será com os fabricantes de impressoras 3D Metamáquina, cujo desafio é disseminar máquinas high-tech com uma estratégia de indústria de pequena escala com custos reduzidos.

Mais informações e inscrições em: saopaulo.aaschool.ac.uk

Postagens recentes